sábado, maio 09, 2009

O rotina do cotidiano imprevisível.

Independente da hora que acordo, é sempre a mesma hora. 5h. Cravado. Mas já passou das 9h e ainda estou aqui. Independente de como tenha dormido a noite, estou com sono, e reclamo que dormi mal. Independente de como minha vida esteja, sempre acho uma droga, e faço-me de vítima mesmo sem querer.Independente do meu dia, sempre foi igual ao passado. Tão igual como água e vinho...
Sempre espero um dia feliz, e quando ele vem, penso que foi uma droga para continuar esperando. Idealizo coisas que não precisam ser idealizações só para ter algo em que pensar. Mantenho-me nesse tipo de vida por medo de mudar. Não caio, pois não sei se tenho quem possa me segurar.
Nunca quis me jogar, mesmo sabendo voar. Nunca quis realizar, pois gosto de imaginar. Nunca quis te ter, pois nunca quis te deixar.Nunca quis gostar, apenas por medo de me decepcionar.

3 comentários:

Licianne disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Licianne disse...

Um dos melhores textos seus até agora! Gostei muito.
Às vezes eu me pego pensando se eu não vivo num mundo só meu, até quando eu vou viver assim e se eu deveria mudar. Mas, acho que seria negar a minha personalidade. Ótimo texto JP, beijoca.

T.Costa disse...

o melhor de escrever é continuar escrevendo, sempre.